COMISSÃO PASTORAL DA TERRA

 

 

 

Nesta quarta-feira (06), a Comissão Pastoral da Terra em Rondônia (CPT-RO) apresentará o Atlas de Conflitos na Amazônia, construído pelos/as agentes de Pastoral nos estados da Amazônia legal.

 

(Fonte: CPT Rondônia)

Essa região tem destaque no aumento da violência no campo no Brasil nos últimos anos, em 2016 foram registrados 61 assassinatos por conflitos no campo no país, sendo que 48 destes assassinatos ocorreram na Amazônia Legal. Neste ano de 2017, já foram registrados 64 assassinatos em conflitos no campo, até o momento, sendo 49 nessa região.

Em Rondônia, foram 21 assassinatos no campo no ano passado. E em 2017, já são 15 mortes registradas até o momento. Rondônia é o segundo estado da Amazônia com o maior número de conflitos no campo e com maior número de famílias envolvidas, num total de 191 conflitos e 17.099 famílias.

A partir de um alinhamento técnico com o Centro de Documentação Dom Tomás Balduino, da CPT, e com a assessoria do geógrafo e professor da Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes-MG), Gustavo Ferreira Cepolini, cada regional da CPT contribuiu no levantamento dos dados e informações para o Atlas, registrando detalhes como: municípios onde o conflito estava localizado, nome da comunidade, número de famílias impactadas, identidade (posseiros, sem-terra, indígenas, quilombolas etc.), com quem disputavam seus territórios, e outros.

O livro será disponibilizado para download no site da CPT no dia 22 de janeiro de 2018.

LEIA TAMBÉM: MPPA e CPT lançam em Belém Atlas de Conflitos na Amazônia

CPT e REPAM lançarão Atlas de Conflitos na Amazônia

Amazônia Protege: MPF lança projeto de combate ao desmatamento ilegal

Atlas de Conflitos na Amazônia é lançado em Manaus

Serviço: Apresentação do Atlas de Conflitos na Amazônia

Onde: Auditório da Cúria Diocesana – Avenida Carlos Gomes, 964 – Centro, Porto Velho/RO.

Quando: Hoje, 06 de dezembro de 2017, às 16 horas.

Contato: (69) 3224-4800 / 98473-5453

Gostou dessa informação?

Quer contribuir para que o trabalho da CPT e a luta dos povos do campo, das águas e das florestas continue? 

Clique aqui e veja como contribuir