COMISSÃO PASTORAL DA TERRA

 

 

 

“Alimentamos nossos povos e construímos um movimento para mudar o mundo!”. Com esse lema, a VII Conferência Internacional da Via Campesina, o maior movimento camponês do mundo, teve início hoje (19), em Derio, País Basco, e seguirá até o dia 24.

(Coletivo de Comunicação Via Campesina / Tradução: Cristiane Passos - CPT Nacional)

Cerca de 450 movimentos camponeses, representantes de todas as partes do mundo, se reúnem para continuar a luta contra o capitalismo e propor medidas concretas para construir um mundo alternativo, baseado na dignidade e na Soberania Alimentar.

Esta Conferência, que é realizada a cada quatro anos, é um encontro único e vibrante dos movimentos camponeses e o espaço mais importante e significativo de tomada de decisões da Via Campesina.

“É único porque somos um movimento que é tão diverso e mesmo assim unido em nossas lutas. Somos as pessoas que trabalham na terra e que alimentam o mundo, mas nossos territórios estão sofrendo ataques constantes. Enfrentamos, também, um processo de criminalização crescente. Esta Conferência é um passo a frente na internacionalização das nossas lutas, criando estratégias para frear os poderes do capitalismo global e construir um movimento para a mudança”, afirmou Elizabeth Mpofu, camponesa do Zimbábue e coordenadora geral da Via Campesina.

“A Via Campesina continua crescendo. Atualmente temos umas 200 organizações. Somos um modelo político internacional”, disse Unai Aranguren, representante europeu do comitê de Coordenação Internacional da Via Campesina.

A VII Conferência Internacional foi precedida pela IV Assembleia Internacional de Jovens (16 a 17 de julho) e pela V Assembleia Internacional de Mulheres ( 17 a 18 de julho), que proporcionou um espaço para os jovens e para as mulheres camponesas do Movimento, para discutirem os desafios que possuem e construírem propostas de luta.

A Assembleia de Jovens refletiu sobre como são eles os mais afetados pela migração. Além da necessidade dos movimentos sociais investirem em jovens agricultores e promover a reforma agrária, que irá proporcionar o acesso e controle sobre a terra e território, estende-se também para a necessidade de formação sobre práticas agroecológicas camponesas, que hoje são mais urgente do que nunca. Os jovens também manifestaram sua solidariedade à "Marcha em Defesa da Soberania Alimentar e da Mãe Terra", organizada pelo Movimento pela Terra, em Euskal Herria.

A Assembleia de Mulheres chamou a atenção para os crescentes casos de violência doméstica contra as mulheres, no meio rural e em todas as partes da nossa sociedade patriarcal. Elas também se comprometeram a continuar sua luta para criar um movimento de mudança, baseado no feminismo e na soberania alimentar.

Durante os quatro dias de programação da Conferência, o movimento camponês irá refletir e debater sobre diferentes temas, como soberania alimentar, agroecologia camponesa, redes de formação independente, direitos dos migrantes, comércio, justiça climática, criminalização dos movimentos sociais e criação de alianças. Será debatido, também, o rascunho da Declaração da ONU sobre Direitos dos Camponeses e outras pessoas que trabalham em áreas rurais, uma iniciativa da Via Campesina, que já conseguiu chegar a um estágio avançado de negociações com o Conselho de Direitos Humanos da ONU. Serão definidas, também, as novas linhas estratégicas de ação do Movimento, estabelecendo o tom da luta nos próximos quatro anos, e serão dadas as boas vindas aos novos membros e lideranças.

No domingo, dia 23, a Via Campesina, a EHNE Bizkaia (organização anfitriã e representante da articulação mundial no País Basco) e seus aliados, irão marchar com os camponeses locais a Bilbao, em solidariedade com suas lutas em defesa da terra e dos territórios, e contra os grandes projetos de infraestrutura.

No dia 24 serão realizadas visitas de campo para todos os participantes da Conferência. Foram organizadas, também, mais visitas a áreas rurais em todo o país Basco, entre os dias 26 e 28 de julho, para alguns representantes das nove regiões onde a Via Campesina está presente.

 Leia também: Assembleia de Jovens da Via Campesina reúne no país basco representantes da juventude camponesa mundial

 

Gostou dessa informação?

Quer contribuir para que o trabalho da CPT e a luta dos povos do campo, das águas e das florestas continue? 

Clique aqui e veja como contribuir