COMISSÃO PASTORAL DA TERRA

 

 

Após Assembleia, realizada entre os dias 25 e 27 de maio, a CPT Regional Rondônia divulga carta pública em que ressalta os cuidados com a Casa Comum principalmente em tempos de pandemia. O documento também denuncia a retirada de direitos em curso, a paralisação da reforma agrária e a destruição das florestas.

Leia a Carta na íntegra:

CARTA DA XVII ASSEMBLEIA DA COMISSÃO PASTORAL DA TERRA REGIONAL RONDÔNIA

Em um mundo totalmente desafiador, que aposta tudo na destruição da natureza e dos direitos dos pobres, a Comissão Pastoral da Terra de Rondônia reafirma em XVII Assembleia a fé na promessa de Deus para com o seu povo: Os pobres possuirão a terra!

É necessário continuar semeando solidariedade e esperança! Com o Sínodo, acalentamos o sonho de uma Amazônia respeitosa com os que vivem nas cidades, nos campos, nas águas e nas florestas. A pandemia quase nos imobilizou, porém, há sementes germinando, expressas na certeza de que vamos continuar a construir a história a partir dos povos e comunidades e com os valores da solidariedade. Deus caminha conosco e junto com as comunidades do campo e da floresta reafirmamos nosso enfrentamento ao sistema capitalista, movido por um ultraliberalismo que produz ainda mais desigualdade social.

Na pandemia, estamos perdendo pessoas queridas. Companheiras/os e parentes continuam doentes e lutando pela vida e por tratamento digno.  Rondônia, neste momento, é o Estado com maior percentagem de mortes pela pandemia e o menor em taxa de vacinação no Brasil, situação que demonstra a gravidade que o negacionismo tem levado à população.

Esta pandemia, relacionada com crise ambiental planetária, expressa a importância da escolha de representantes públicos voltados a uma responsabilidade ambiental e social, que promovam ações de conservação e preservação da natureza, do solo e da água, sendo essa uma missão cada vez mais necessária e afirmativa: O cuidado com os espaços de vidaprodução agroecológica e alimentos saudáveis.

Não nos intimidaremos diante das propostas de redução continuada dos direitos dos povos, visto que os conflitos não fazem quarentena. Com a paralização da reforma agrária e a precarização do trabalho cresceu a escravização das pessoas e o avanço da fronteira agrícola. A expansão do agronegócio, caracterizado pela pecuária extensiva e monocultura da soja, associados ao uso sistemático de agrotóxicos, que significa mais veneno em nossa mesa, e mais pressões nos territórios dos povos indígenas, comunidades tradicionais e do campesinato amazônico.

A destruição de nossas florestas, com novos patamares de fogo assombrando o mundo, incentivada pelas leis de regularização fundiária e redução de Unidades de Conservação, tendem a legalizar e legitimar a grilagem de terras públicas, a tolerância com garimpo clandestino e o roubo de madeira em Terras Indígenas e Reservas Extrativistas. Por outro lado, as famílias camponesas resistem aos processos de reintegração de posse em plena pandemia, lutando contra as injustiças do Judiciário, as ameaças da pistolagem, do discurso de ódio e da criminalização da luta pela terra e reforma agrária.

Contudo, não renunciamos a nossa palavra, sempre a denunciar o que está acontecendo nas vastas regiões de Rondônia, somando-se aos bispos da Amazônia, que proclamaram: “Acompanhamos estarrecidos, mas não inertes, o desenrolar de um arquitetado projeto genocida que, por sua vez, revela o devastador agravamento de uma crise que escancara a pobreza diante da escandalosa concentração de riquezas”.

Ressaltamos ainda, a necessidade dos cuidados com a Casa Comum, em favor da vida e do meio ambiente, a partir da força que emana dos povos tradicionais e nativos amazônicos por meio de suas ancestralidades, que seguem vencendo as dificuldades. Em articulação com as pastorais sociais e do campo, universidades, organizações sociais e diversos movimentos populares, fortaleceremos a solidariedade e a resistência. Reafirmamos que a Comissão Pastoral da Terra de Rondônia, assim como as demais regionais da Amazônia e do Brasil, permanece junto aos Povos da Terra e das Águas na luta contra os projetos de morte que assolam nossos espaços de luta e territórios de vida.

 

Porto Velho, Rondônia, 25, 26 e 27 de maio de 2021.

CPT Regional Rondônia