COMISSÃO PASTORAL DA TERRA

 

 

 

A Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) elogiou uma série de resoluções da Assembleia Geral da ONU, adotadas em 2017, para promover a segurança alimentar. Instância que reúne os Estados-membros do organismo declarou a Década Internacional da Agricultura Familiar, que será observada a partir de 2019 e até 2028. Países também adotaram medidas para combater a pesca ilegal e proteger pesca artesanal.

 

(Fonte: ONU / Foto: Banco Mundial-Curt Carnemark).

Os agricultores familiares são responsáveis pela produção de mais de 80% de toda a comida do planeta. Mais de 90% das 570 milhões de propriedades agrícolas no mundo são administradas por um indivíduo ou por uma família e dependem principalmente da mão de obra familiar. Esses pequenos produtores são fundamentais para garantir que todos tenham acesso a alimentos. Contudo, eles também estão entre os grupos mais vulneráveis à pobreza e à fome no meio rural.

Os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas (ODS) têm metas específicas para melhorar a qualidade de vida dos agricultores familiares. Até 2030, a agenda da ONU prevê que países consigam dobrar a produtividade agrícola e os salários da agricultura familiar, em particular das mulheres. Comunidades indígenas, pastoris e pesqueiras também devem ser incluídas nesses esforços.

A resolução da Assembleia Geral pede à FAO e ao Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA) que apoiem a Década Internacional. O texto reconhece ainda a utilidade e importância da Plataforma de Conhecimentos sobre Agricultura Familiar, criada pela FAO para compartilhar informações sobre iniciativas no setor.

LEIA MAIS: Pescadores tradicionais sufocados por deserto verde da Fibria S.A temem pelo futuro

“Enquanto o latifúndio quer guerra, nós queremos terra!”

#ProtagonismoFemininoIndígena: da comunicação à incidência política

Em carta, movimentos sociais questionam utilização da “água como mercadoria que promove carência, doença e morte”

O organismo decisório reconhece ainda a relevância das atividades de cooperação Sul-Sul, triangular e “de agricultor para agricultor” para avançar no fortalecimento da produção agrícola desses camponeses.

ONU contra a pesca ilegal

Outra decisão celebrada pela FAO foi a determinação de que 5 de junho seja o Dia Internacional contra a pesca ilegal, não declarada e não regulamentada. A data servirá para mobilizar apoio à luta contra a superexploração da vida marinha.

O dia foi escolhido para lembrar a data em que o Acordo sobre Medidas do Estado do Porto entrou em vigor como tratado internacional. A FAO foi uma das instituições que lideraram a elaboração e negociação do documento, o primeiro marco de nível global estabelecido para reduzir de forma drástica as diferentes formas de pesca ilícita.

A agência das Nações Unidas elogiou ainda uma terceira resolução da Assembleia sobre o uso de recursos pesqueiros — a entidade declarou 2022 como Ano Internacional da Pesca e da Aquicultura Artesanais. Na avaliação da FAO, iniciativa chamará atenção para os desafios enfrentados pelos pescadores de pequena escala, que representam 90% de toda a força de trabalho empregada pela pesca no mundo.

Gostou dessa informação?

Quer contribuir para que o trabalho da CPT e a luta dos povos do campo, das águas e das florestas continue? 

Clique aqui e veja como contribuir