COMISSÃO PASTORAL DA TERRA

 

 

 

Ocorreu na última terça-feira (28), na Universidade Federal de Alagoas (Ufal) Campus Sertão, em Delmiro Gouveia (AL), o lançamento do Caderno Conflitos no Campo Brasil 2017. A publicação é elaborada anualmente pela Comissão Pastoral da Terra (CPT). No mesmo evento, foi lançado o livro “Águas para Que(m)? Um debate importante sobre o tema”, de autoria de Anderson Camargo.

(Texto e fotos: CPT/AL)

A CPT/AL foi representada pela coordenadora Heloísa do Amaral, que compareceu com camponeses do Acampamento São Francisco. Também estiveram presentes o professor Claudemir Martins, autor do artigo desta 33ª edição do relatório intitulado: "Luta camponesa, indígena e quilombola face a barbárie do agronegócio no Brasil: a contrarreforma agrária se aprofunda em tempos-espaços de golpe!"; Anderson Camargo, autor do livro lançado na ocasião e doutorando na UFPE; Janmisson Silva, do MST; e Mardônio Alves da Graça, coordenador executivo da Cooperativa dos Bancos Comunitários de Sementes - Coppabacs.

Entre os dados mencionados, Heloísa citou o assassinato de 71 decorrentes de conflitos no campo em 2017. Este último relatório tem como destaque o número de assassinatos – o maior dos últimos 14 anos. “Foram 10 assassinatos no campo a mais que no ano anterior, quando foram registrados 61 assassinatos, 31 destes assassinatos ocorreram em 5 massacres, o que corresponde a 44% do total. Além do aumento no número de mortes, houve aumento em outras violências. Tentativas de assassinatos subiram 63% e ameaças de morte 13%”, aponta a CPT.

Segundo Claudemir, no encontro, estudantes, camponeses, professores, lideranças de organizações e movimentos do campo discutiram a escalada da violência em tempos-espaços de golpe no ano de 2017. Os presentes debateram a conjuntura nacional e a necessidade da saída pela esquerda, com outro projeto para o campo, no qual a reforma agrária seja uma das centralidades.

“Toda a sociedade e não apenas os indígenas, quilombolas e o campesinato devem abraçar essa luta. Luta pela terra e pela água. Luta pela agricultura camponesa e agroecológica. Luta por alimentos sadios. Luta pela vida. Luta pela democracia. Luta contra o agronegócio que mata, envenena, concentra terra e reproduz poder, miséria e riqueza nas mãos de poucos”, disse Claudemir em seu relato.

A atividade foi organizada pelo Observatório de Estudos Sobre as Liras por Terra e Território - Obelutte, Grupo de Estudos e Pesquisa em Análise Regional - Gepar e pelo Grupo de Pesquisa sobre Gênero, Trabalho e Territóriosm - Genttes.

Gostou dessa informação?

Quer contribuir para que o trabalho da CPT e a luta dos povos do campo, das águas e das florestas continue? 

Clique aqui e veja como contribuir