COMISSÃO PASTORAL DA TERRA

 

 

Órgão indigenista recentemente determinou uma reanálise, sem justificativa e base legal, de procedimentos já instruídos técnica e juridicamente.

Por Assessoria de Comunicação – MPF/SP

Imagem: Cimi Regional Sul / Equipe de São Paulo

O Ministério Público Federal (SP) expediu uma recomendação para que o presidente da Fundação Nacional do Índio (Funai), Marcelo Augusto Xavier, revogue determinações de reanálise técnica de processos demarcatórios relativos às Terras Indígenas Djaikoaty, Ka’aguay Mirim, Peguaoty e Tapy’i/Rio Branquinho, localizadas na região do Vale do Ribeira, interior de São Paulo.

A instrução dos processos de demarcação destas Terras Indígenas, tanto do ponto de vista técnico quanto jurídico, havia sido concluída no ano passado, tendo eles por isso sido encaminhados à presidência da Funai para subsequente remessa ao Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP) para expedição de portaria declaratória. Contudo, em dezembro o presidente da Funai determinou a restituição dos processos à Diretoria de Proteção Territorial da Funai, para uma reanálise, fazendo sua instrução retornar a um estágio que já havia sido superado.

Para o MPF, as determinações do presidente da Funai são ilícitas, por ao menos duas razões. Primeiro, por terem sido feitas sem qualquer justificativa – em violação, portanto, do dever de motivação dos atos administrativos. E segundo, por não terem fundamento na legislação vigente.

Segundo o procurador da República Yuri Corrêa da Luz, em Registro (SP), autor da recomendação, o Decreto nº 1.775/96, que regula a tramitação dos processos de demarcação, não apenas fixa os prazos para superação de suas etapas, como também não dá espaço para qualquer retrocesso naquelas que já se encerraram. Por isso, o MPF considera a “reanálise” determinada não apenas “inusitada”, mas efetivamente incompatível com o princípio da legalidade, previsto no artigo 37, caput, da Constituição Federal.

LEIA TAMBÉM: Mapa do território Guarani será lançado em São Paulo

Nota de repúdio à violência praticada contra a comunidade Guarani Mibya da Ponta do Arado (RS)

Governo Temer Condena os Guarani por Crimes do Estado Brasileiro - Nota do Cimi sobre a Portaria 683/17 do Ministério da Justiça

Ainda, segundo Yuri, “Os processos demarcatórios pertinentes às Terras Indígenas Djaikoaty, Ka’aguay Mirim, Peguaoty e Tapy’i/Rio Branquinho já foram devidamente instruídos, após anos e com razoável dispêndio de recursos públicos (tanto financeiros quanto humanos). Nesse contexto, uma determinação de reanálise afronta também o princípio da eficiência, que vincula a Administração Pública”.

Em face disso, o MPF recomenda que, no prazo de 15 dias, os processos retornem da Diretoria de Proteção Territorial para a Presidência da Funai, e sejam na sequência remetidos ao Ministério da Justiça e Segurança Pública, para expedição das correspondentes portarias declaratórias. Em caso de não acatamento, o MPF indica que poderá tomar as providências cabíveis, inclusive promovendo a responsabilização pessoal do presidente da Funai.

Leia a íntegra da recomendação

Gostou dessa informação?

Quer contribuir para que o trabalho da CPT e a luta dos povos do campo, das águas e das florestas continue? 

Clique aqui e veja como contribuir