COMISSÃO PASTORAL DA TERRA

 

 

Em sintonia com o mês e o dia de luta das mulheres, o Coletivo de Mulheres do Cerrado no Oeste baiano protesta pelos direitos e pela saúde

Texto: Amanda Alves e Bruno Santiago
Informações e imagens: Coletivo de Mulheres do Cerrado no Oeste baiano

As manifestações das mulheres no Oeste da Bahia acontecem desde o dia 4 de março de maneira virtual e em alguns municípios da região, como Barreiras, Coribe, Correntina, Santa Maria da Vitória e São Félix do Coribe, sem provocar aglomerações.

Pela internet foram divulgadas imagens educativas que apresentam dados alarmantes, como o aumento dos casos de violência doméstica e o crescimento do número de mortes por suicídio da população transgênera na Bahia em 2020.

Também foram divulgadas alternativas para superação do cenário de crise sanitária e social que vivemos, como a importância da vacinação coletiva e da defesa do Sistema Único de Saúde (SUS). Os materiais foram produzidos pelas mulheres do Coletivo de maneira colaborativa.

A luta por comida de verdade, sem agrotóxicos e produzida de maneira agroecológica, e pela defesa do Cerrado também fez parte do grito das mulheres do Cerrado baiano. A região sofre com a seca dos rios e os conflitos territoriais que ameaçam as populações geraizeiras há décadas, por isso, o grupo de mulheres também protestou contra o avanço do agronegócio na região – responsável por essa destruição e violência.

Para além da mobilização virtual, foram colados “lambe-lambes” que estamparam as reivindicações do coletivo. Os materiais foram disponibilizados em locais estratégicos dos municípios da região, visando alcançar diferentes públicos. O processo de colagem foi realizado com distanciamento social em horários de baixa circulação de pessoas. Todas as mulheres usaram máscaras e equipamentos de segurança.

O Coletivo de Mulheres do Cerrado no Oeste baiano é composto por mulheres do campo e da cidade, que se organizam para lutar pela defesa da biodiversidade, das águas e da dignidade das populações rurais e urbanas da região. Em diálogo com a Campanha em Defesa do Cerrado, as mulheres partilharam: ”As lutas são coletivas, defender as mulheres, nossos territórios, nosso Cerrado, é defender nossa própria existência!”.