COMISSÃO PASTORAL DA TERRA

 

 

Oficinas, apresentações artísticas e debates estão sendo realizados online desde o dia 1º. O Fórum segue sua programação até o dia 10 de junho, e todas as atividades podem ser acompanhadas pela página do Fórum no Facebook ou pela página da CPT e de diversas outras organizações sociais no Facebook. No dia 8 de junho, próxima segunda-feira, entre às 18h00 e 20h00, a CPT irá realizar a oficina: “Conflitos no Campo Brasileiro: o de sempre e em tempos de bolsonarismo e pandemia”.

(MST)

Além de movimentos populares do campo, das florestas, das águas e das cidades, estão confirmados para as atividades artistas como Preta Ferreira, Zé Celso, Edgard Scandurra, Coral Guarani, Embatucadores, Carlinhos Antunes, Mamberti, Amadeu Alves, GOG, Fernando Anitelli, Bule-Bule, entre outros. Nos debates, Julieta Paredes (Aymara boliviana), Mike Davis, Rob Wallace, Vijay Prashad (Tricontinental), Sônia Guajajara, Luiz Marques (UNICAMP), Sabrina Fernandes (Tese Onze) são alguns nomes que marcarão presença.

Organizações sociais, sindicatos, pesquisadores, artistas e ativistas uniram-se para compor e lançar o Fórum Popular da Natureza (FPN). Entre os dias 1 e 10 de junho acontecem, de forma online, oficinas, apresentações artísticas e mesas de debate com o objetivo de dialogar a respeito das causas e efeitos da degradação ambiental e dinamizar o processo de resistência popular nesse campo.

Organizado desde o início de 2019 para ser lançado presencialmente em 2020, o Fórum Popular da Natureza teve de remodelar a programação devido à pandemia da COVID-19. O FPN tem núcleos em São Paulo, Bahia, Rio de Janeiro, Amazonas, Pará e no Distrito Federal. Além disso, já estão em formação núcleos no Maranhão, Mato Grosso, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Paraná.

No dia 8 de junho, próxima segunda-feira, entre às 18h00 e 20h00, a CPT irá realizar a oficina: “Conflitos no Campo Brasileiro: o de sempre e em tempos de bolsonarismo e pandemia”, com a participação de Antônio Canuto, membro fundador da CPT, Carolina Motoki, assessora da Campanha Nacional da CPT ‘De olho aberto para não virar escravo’, Aliene Barbosa, geraiseira de fecho de pasto de Correntina (BA), e dos professores e geógrafos, Ariovaldo Umbelino (USP) e Carlos Walter Porto-Gonçalves (UFF). A mesa será mediada por Ruben Siqueira, da coordenação nacional da CPT.
A oficina “Quando a boiada passa: dados sobre conflitos no campo revelam as violências da Agropandemia”

Programação do Fórum Popular da Natureza

1 a 3 de junho: Oficinas autogestionadas oferecidas por organizações e/ou ativistas participantes do FPN.

4 a 6 de junho: lives de debatea partir das 10h:

Dia 04: Ciência e Natureza – Pandemia como parte da crise ambiental: é possível enfrentar as mudanças climáticas sem mudar o sistema?
Dia 05: Economia e Natureza – Perspectivas para a economia pós pandemia: o que mudou? E o que devemos transformar?
Dia 06: Qual é o papel dos Movimentos na (Re)Construção do mundo pós pandêmico?

Haverá dois blocos diários de Apresentações Artísticas, um a partir das 15h e outro a partir das 16h.

Às 19h, acontecem Rodas de Conversa sobre:

Dia 04: O papel das Frentes Parlamentares Ambientalistas na defesa da natureza em tempos de pandemia;
Dia 05: Capitalismo, Mudanças Climáticas e Pandemia;
Dia 06: Lutas para Adiar o Fim do Mundo: a Resistência Indígena em defesa de um futuro comum.

7 a 10 de junho: Oficinas Autogestionadas oferecidas por organizações e/ou ativistas participantes do FPN;

13 de junho: Leitura da Carta Manifesto e conclusão do evento de Lançamento.

 

Gostou dessa informação?

Quer contribuir para que o trabalho da CPT e a luta dos povos do campo, das águas e das florestas continue? 

Clique aqui e veja como contribuir