COMISSÃO PASTORAL DA TERRA

 

 

 

Atividade acontece de 3 e 6 de maio, no Parque da Água Branca, na zona oeste de São Paulo

(Por Página do MST)


Além de comercializar toneladas de produtos saudáveis, a 3ª Feira Nacional da Reforma Agrária, organizada pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), conta com uma vasta programação de seminários de formação político-cultural. A proposta das atividades é ampliar o debate com a população, aproximando campo e cidade, sobre a necessidade e possibilidades de uma alimentação saudável no prato dos brasileiros.
"A feira nacional cumpre um papel fundamental para a propaganda da reforma agrária porque a gente entende que a produção de alimentos saudável é a grande mediação que tem entre a reforma agrária e a sociedade brasileira. Por se tratar de uma perspectiva de projeto de alternativa, essa mediação não se dá só no campo da produção de alimentos ou da venda de comercialização em si. Assim, os seminários vêm promover debates, diálogos e complementações de diferentes olhares das dimensões formativas da produção de alimentos", explica Ceres Hadich, integrante da direção nacional do MST.
Com temas complementares e transversais à discussão da alimentação saudável e do projeto de reforma agrária popular, este ano a feira traz recortes em torno do tema dos agrotóxicos, da nutrição nas escolas, da importância da água e das políticas públicas.
Entendendo que o debate da alimentação saudável não se restringe somente ao debate de comer e se alimentar, também haverá uma programação dedicada à discussão sobre o assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL) e do motorista do carro no qual ela estava, Anderson Gomes.
"Fazer este debate da criminalização da questão LGBT, da questão racial, entre outros são temas que perpassam também o debate daquilo que a gente quer para o campo e para a cidade. Por isso, o seminário ‘Justiça por Marielle e Anderson: contra a intervenção militar e o genocídio negro’ se encaixa muito bem nesta perspectiva: de pensar um projeto para a agricultura que extrapole esta relação de produção e comercialização de alimentos", diz Hadich.
Diferentes atores devem compor as mesas de debates nesta 3ª edição da Feira Nacional da Reforma Agrária, sejam de movimentos populares, da sociedade civil, de instituições e entidades. A atividade acontece de 3 e 6 de maio, no Parque da Água Branca, na zona oeste de São Paulo (SP).
Confira a agenda completa da 3ª Feira Nacional da Reforma Agrária abaixo:

Gostou dessa informação?

Quer contribuir para que o trabalho da CPT e a luta dos povos do campo, das águas e das florestas continue? 

Clique aqui e veja como contribuir