COMISSÃO PASTORAL DA TERRA

 

 

 

Comunidade da gleba Negra Velha, no município de Luís Domingues, está ameaçada por pistoleiros e, além disso, duas pessoas foram presas em uma ação da polícia e casas foram queimadas.

 

(Texto e imagens por Andressa Zumpano)

Trabalhadores rurais da Gleba Negra Velha, situada no município de Luís Domingues, Maranhão, encontram-se ameaçados por jagunços armados. São cerca de 50 famílias que utilizam a terra para o plantio do roçado, sendo este o principal modo de vida. Essas ameaças partem de um grupo de grileiros da região, que promove a extração de recursos vegetais e minerais nesse território.

Desde o ano de 2017, diversas ações intimidatórias, bem como o uso de violência, já foram aplicadas por esse grupo, que se diz proprietário da terra. No dia 4 de janeiro de 2018, uma das pretensas proprietárias da terra, provocou uma ação possessória não sentenciada com o apoio da Polícia Militar (PM), ateando fogo em casas de trabalho e morada dos lavradores. Nesse dia, dois trabalhadores foram presos arbitrariamente, e ficaram por 24 horas na Delegacia de Carutapera, algemados em pé, sem água e comida. Sendo que um destes lavradores é idoso, e chegou a passar mal durante a prisão.

A denúncia foi apresentada na Secretaria de Segurança Pública do Estado do Maranhão, onde os trabalhadores exigem medidas urgentes por parte dos órgãos competentes, de modo a coibir a ação dos jagunços, como também a punição dos policiais envolvidos nesta ação.

Nesta última segunda-feira, 22 de janeiro, agentes da Comissão Pastoral da Terra (CPT) visitaram o local para realizar o acompanhamento jurídico dos trabalhadores rurais.

Devido às ameaças e a possibilidade do uso de armas de alto calibre pelos jagunços, os trabalhadores rurais seguem sem acessar suas plantações.

Confira mais imagens da comunidade Negra Velha:

Imagem mostra onde trabalhadores foram algemados e ficaram por 24 horas em pé, sem água e comida. Crédito: CPT-MA

Gostou dessa informação?

Quer contribuir para que o trabalho da CPT e a luta dos povos do campo, das águas e das florestas continue? 

Clique aqui e veja como contribuir