COMISSÃO PASTORAL DA TERRA

 

 

 

A Polícia Federal (PF) prendeu na terça-feira (15) o fazendeiro José Escórcio Cerqueira, de 82 anos, e o filho dele, José Escórcio Cerqueira Filho, em Imperatriz, no Maranhão. Eles são suspeitos de assassinar o ambientalista Raimundo dos Santos Rodrigues, 54, morto a tiros em agosto de 2015, em Buriticupu (MA). Um terceiro envolvido está foragido.

 

(Fonte: G1 Maranhão)

O advogado dos suspeitos, Antônio Henrique Pereira, informou que não vai se pronunciar, no momento, sobre as prisões dos clientes.

As prisões foram efetuadas durante a Operação Jaguaribe, que investiga a ligação do crime com conflitos agrários na região de Buriticupu, no qual estariam envolvidos madeireiros, fazendeiros, sem-terra e ambientalistas. Na terça, foram cumpridos dois de três mandados de prisão expedidos e outros cinco de busca e apreensão.

SAIBA MAIS: Conselheiro da Reserva Biológica do Gurupi, no Maranhão, é assassinado

PF investiga acusados de assassinato de ambientalista no Maranhão

Além do assassinato do ambientalista, que era conselheiro da Reserva Biológica (Rebio) do Gurupi, os presos também devem responder pela tentativa de homicídio da esposa dele, Maria da Conceição, que estava com o marido no momento da execução.

Raimundo foi morto em 25 de agosto de 2015 com sete tiros e golpes de facão em uma emboscada, no trajeto entre Buriticupu (MA) e a casa onde morava com a esposa, localizada na Rebio Gurupi, em Bom Jardim (MA).

Ameaças

O ambientalista afirmava que vinha sofrendo ameaças. Segundo ele, um fazendeiro teria ameaçado a ele e a outras dez famílias que moravam na região. "Ele estava incomodado com a Rebio para não roçar dentro da área de área biológica", dizia Raimundo.

Em um vídeo, Raimundo contou que o fazendeiro citado teria agido com abuso para retirar as famílias do local, incendiando casas e barracos, além de objetos dos moradores.

"Nós se sente (sic) ameaçado desde que ele chegou lá, tocando fogo nos barracos. Ele queria passar com carro por cima das crianças, dos adultos", revelou.

Gostou dessa informação?

Quer contribuir para que o trabalho da CPT e a luta dos povos do campo, das águas e das florestas continue? 

Clique aqui e veja como contribuir