COMISSÃO PASTORAL DA TERRA

 

 

 

Não iremos nos calar! Mais uma vez a CPT Piauí denuncia a violência sofrida pelos trabalhadores e trabalhadoras do Cerrado piauiense.

A Comissão Pastoral da Terra no Piauí (CPT-PI) vem a público denunciar novamente a violência no campo sofrida pelos povos da terra e das águas no Cerrado piauiense. Desta vez no Território Brejo do Miguel, município de Gilbués (PI).

O Território Brejo do Miguel trata-se de uma comunidade tradicional ribeirinha brejeira localizada às margens do Rio Uruçuí Vermelho, do Brejo Miguel e da Lagoa dos Martins. As famílias deste território vivem da agricultura camponesa, do extrativismo e criação tradicional de animais.

No dia 02 de outubro de 2019, sete homens a serviço do senhor Evaldo Lobato estiveram no Brejo do Miguel construindo uma cerca dentro da área de roça de Antônio Batista Rodrigues. Derrubaram a cerca que a comunidade havia levantado e passaram uma outra cerca dentro da área.

 Histórico do conflito

Desde 2016 o território Brejo do Miguel tem sido impactado por empresas que avançam nas áreas da comunidade, impedindo a reprodução do modo de vida desses povos. Em 2017, uma das empresas cercou os gerais (Cerrado) usado pelas famílias para a criação do gado. 

Este ano, desde o mês de junho um senhor identificado como Evaldo Lobato, ex- prefeito de São Gonçalo do Gurguéia, entrou na comunidade alegando ter comprado uma área dentro do território. Inicialmente, o mesmo fez aceiros [são faixas ao longo das cercas onde a vegetação foi completamente eliminada. O objetivo é prevenir a passagem do fogo para a área com vegetação]. 

LEIA TAMBÉM: Nota Pública sobre Conflito de Terra no Assentamento Rio Preto, sul do Piauí

CPT no Piauí apresenta relatório “Conflitos no Campo Brasil 2018” e denuncia novos conflitos no estado

Conselho da ONU recebe denuncia de violações de Direitos às comunidades do Cerrado piauiense

No dia 03 de setembro de 2019, ele retirou madeira e levava arames para construir novas cercas dentro do território da comunidade. E ontem, 02 de outubro de 2019, houve  a derrubada da cerca por sete homens, destruindo cercas e roças da comunidade.

Vale ressaltar que essas famílias ocupam tradicionalmente esse território desde os seus antepassados, constroem a soberania e a segurança alimentar, produzem alimentos com responsabilidade social e ambiental.

Diante disso, a CPT no Piauí, juntamente com as famílias do território, enviou ofício ao Ministério Público Federal (MPF) em Corrente (PI) exigindo a intervenção, em caráter de urgência, e garantir a integridade e a proteção das famílias e ações que possam por fim no conflito.

Além disso, repudiamos o descaso e exigimos o tratamento devido dos órgãos de segurança pública, garantindo os direitos das famílias envolvidas.

Gostou dessa informação?

Quer contribuir para que o trabalho da CPT e a luta dos povos do campo, das águas e das florestas continue? 

Clique aqui e veja como contribuir