COMISSÃO PASTORAL DA TERRA

 

 

Desde a última segunda-feira (07), os/as agricultores/as do P.A. Campos Altos, moradores do entorno da área de exploração da Vale em Ourilândia do Norte (PA), estão em manifestação pacífica, acampados em frente à sede da empresa. Há anos que este grupo está em negociação com a Vale para garantir uma vida digna no campo, e a necessidade do remanejamento das famílias. Confira Carta de solidariedade da CPT Alto Xingu (PA) às famílias:

Carta de solidariedade à luta dos agricultores do Projeto de Assentamento Campos Altos, no Pará

A CPT Alto Xingu vem acompanha a luta das famílias no Projeto de Assentamento (P.A.) Campos Altos há vários anos. Este grupo está na luta reivindicando sua desafetação pela mineradora Vale. É um absurdo, pois a empresa vem atropelando as datas acordadas. Apoiamos e solidarizamo-nos com esta reivindicação pacífica dos trabalhadores e trabalhadoras do P.A. Campos Altos.

Desde a última segunda-feira (07), os/as agricultores/as do P.A. Campos Altos, moradores do entorno da área de exploração da Vale em Ourilândia do Norte (PA), estão em manifestação pacífica, acampados em frente à sede da empresa.

No passado a Vale remanejou em duas etapas várias famílias do P.A., pois precisava dos lotes para implantação da sede. Deixando para trás, isoladas, 61 famílias de agricultores no P.A. Campos Altos. Estas famílias estão sofrendo com fortes impactos: isolamento; falta de infraestrutura, como transporte público, estradas e pontes em ordem e trafegáveis, posto de saúde e escola; poluição do solo, da água, do ar, assoreamento das nascentes, poluição sonora, entre outros.

Há anos que este grupo está em negociação com a Vale para garantir uma vida digna no campo, que viabilize produção e sustentabilidade necessária. Neste sentido o grupo já conseguiu dois laudos do INCRA, comprovando a necessidade do remanejamento.

Depois de muitas negociações conseguiram chegar ao consenso que a VALE iria desafeta-los (quer dizer: pagar a terra e dar uma indenização pelas benfeitorias). Em agosto de 2021, a Vale fez a vistoria nos lotes das famílias para definir o valor das indenizações. O grupo espera quase seis meses por essa desafetação, sem poder trabalhar na terra.

Na última segunda-feira, após uma inútil tentativa de estabelecer data para a realização da desafetação e frente a negativa da Vale, decidiram acampar em forma de manifestação pacífica em frente a empresa.

Até o presente momento a Vale não se manifestou atendendo a reivindicação. Assim o grupo permanece organizado a espera de uma solução para a problemática.

A CPT-Alto Xingu se solidariza com as famílias e pede que a Vale honre imediatamente o compromisso publicamente assumido de uma justa desafetação.

Tucumã - Pará, 11/02/2022

CPT Alto Xingu - Pará