COMISSÃO PASTORAL DA TERRA

 

 

A Pax Christi Internacional, movimento católico pela paz com 120 organizações membros que promovem a paz, o respeito pelos direitos humanos, a justiça e a reconciliação em todo o mundo, publica mensagem em que manifesta preocupação com a atual situação no Afeganistão. Leia na íntegra:

 
Chamada pela Não Violência e Responsabilidade: Declaração sobre o Afeganistão

 

A Pax Christi Internacional e suas organizações membros estão profundamente preocupadas com a situação no Afeganistão, onde as forças do Talebã tomaram o controle da capital e do resto do país.

O governo severo do Talebã há duas décadas e as atrocidades cometidas nas últimas semanas em áreas sob seu controle intensificaram o medo e a sensação de abandono. Isso é especialmente verdadeiro para aqueles que serviram ao governo, organizações da sociedade civil que trabalharam arduamente por reformas e mulheres que assumiram enormes riscos associados à defesa de seus direitos à educação, liberdade de expressão e participação. Acadêmicos, escritores, jornalistas e outros profissionais da mídia; membros de minorias étnicas e muçulmanos xiitas, em particular hazaras, também correm grande risco.

Como uma organização internacional de paz com um profundo compromisso com a não violência, estamos com o coração partido pelo que décadas de guerra e violência causaram. Atenção imediata às proteções físicas e dos direitos humanos para os mais vulneráveis; responsabilidade por atrocidades; e esforços diplomáticos para envolver o Talebã em todos os níveis - do local ao internacional, por mais difíceis e freqüentemente não confiáveis que sejam, são essenciais. Mas uma reflexão profunda sobre o fracasso da guerra e a necessidade de investir em ferramentas eficazes para a construção de uma paz justa também deve ser realizada nacional e internacionalmente.

Urgentemente, conclamamos o Talebã a lembrar e agir de acordo com sua própria dignidade como seres humanos, para honrar o que você prometeu - não seguir um caminho de retaliação e criar um ambiente seguro. Imploramos que rejeitem o poder abusivo, respeitem os direitos iguais de suas irmãs e irmãos afegãos e reconheçam em particular a grande capacidade das mulheres de contribuir para o bem-estar da sociedade.

Com igual determinação, apelamos à comunidade internacional, especialmente os Estados Unidos, trabalhando com as Nações Unidas e outros organismos multilaterais para:

• garantir a proteção dos direitos humanos e providenciar a evacuação segura das vulneráveis populações afegãs;
• fornecer acomodações para visto / imigração para afegãos em todos os lugares, incluindo na Europa e nos Estados Unidos;
• fornecer ajuda imediata para os países vizinhos que inevitavelmente receberão refugiados afegãos e protocolos coordenados para o reassentamento imediato em países terceiros para pessoas particularmente em risco;
• aumentar significativamente e negociar o acesso confiável para assistência humanitária no Afeganistão, incluindo alimentos de emergência e ajuda médica conforme necessário; e
• Garantir a participação de grupos da sociedade civil afegã na tomada de decisões sobre ajuda humanitária e reassentamento de refugiados.

Em particular, pedimos às Nações Unidas que permaneçam totalmente engajadas na crise, inclusive no nível do Conselho de Segurança, empreendendo esforços para negociar ou coagir o respeito do Talibã ao direito internacional e aos padrões de comportamento decente, inclusive na realidade em todo o Afeganistão. Deve-se pensar cuidadosamente sobre quais estratégias não violentas para a proteção de comunidades vulneráveis e, em particular de mulheres e meninas, podem ser aplicadas no Afeganistão agora.

O Conselho de Direitos Humanos da ONU e a Missão de Assistência da ONU no Afeganistão (UNAMA) devem estar preparados para coletar informações e relatar publicamente as evidências de graves violações e abusos cometidos por todas as partes no conflito.

Finalmente, como uma organização baseada na fé, a Pax Christi Internacional conclama todas as pessoas de boa vontade a orar pelo povo do Afeganistão e a se empenhar em todos os esforços para acabar com o sofrimento que o povo afegão suportou durante décadas de guerra sem fim.