COMISSÃO PASTORAL DA TERRA

 

 

 

Reunidos no dia 21 de março, em Porto Alegre do Norte (MT), os e as participantes da Campanha “Araguaia Rios Vivos” celebraram o Dia Mundial da Água, compartilharam denúncias em relação ao mau uso desse recurso natural, sua contaminação e, consequente, a deterioração por conta do uso indiscriminado de agrotóxicos e a falta de atuação dos órgãos públicos na garantia da conservação das águas da região.

(Assessoria de Comunicação da CPT Nacional - com informações da equipe CPT Araguaia / Foto: CPT Araguaia)

“Animados seguimos cantando e forjando o nosso território aqui no Araguaia, na esperança que um dia viveremos nessas terras todos como irmãos e irmãs” – música de Dom Pedro Casaldáliga

Animados e animadas pela presença viva e profética de Dom Pedro Casaldáliga, o evento contou com a presença de 120 pessoas, entre elas alunos do CEJA de Confresa, professores e pesquisadores do IFMT – campus Confresa, agentes de pastoral da prelazia de São Félix, alunos das escolas estaduais de Porto Alegre do Norte e Confresa, representantes da Rede de Sementes do Xingu, além de autoridades locais, como o vice-prefeito de Confresa e a vice-prefeita de Porto Alegre do Norte. Professores da Escola 13 de maio, a secretária de meio ambiente de Porto Alegre do Norte e a secretária de Educação de Confresa, assim como representantes da Secretaria de Planejamento da prefeitura de Confresa, também estiveram presentes no debate. O teólogo Junior Aquino, professor da Faculdade Teológica de Fortaleza (CE), também estava presente no evento. O Ministério Público e vereadores convidados não compareceram, como também não estiveram presentes as autarquias convidadas para a atividade e que haviam confirmado presença.

Entre as reivindicações mais presentes no debate, estavam a denúncia da contaminação das águas e dos solos pelo uso desenfreado dos agrotóxicos, principalmente através pulverização aérea. Assim como a falta de cuidado do poder público em relação aos lixões, que deviam estar no processo de transição para aterros sanitários. O grupo destacou essa falta de cuidado do poder público com esses lixões e seus detritos, e como todo o chorume acaba poluindo as terras e as águas da região. Em relação aos agrotóxicos, a possível contaminação das águas que está sendo distribuída pelo sistema público de abastecimento, é uma das maiores preocupações da população. Existe, de fato, a possibilidade de que ela esteja contaminada por resquícios de agrotóxicos, haja vista que já existem outros exemplos na região, como Sinop e Lucas do Rio Verde, entre outros municípios que possuem o agronegócio como principal atividade econômica.

Um dos encaminhamentos dessa Assembleia Araguaia Rios Vivos foi que no próximo ano seja trabalhada a temática dos agrotóxicos, em profundidade, com ação conjunta dos pesquisadores em relação ao nível de poluição das águas, e como pode ser debatida e analisada a legislação que rege o uso desse tipo de veneno, se ela vem sendo cumprida e como a região pode se inserir no debate sobre o tema.

Iniciativas populares

A atividade contou ainda com apresentação de trabalhos de alunos de escolas de Confresa, como do estudante Paulo Henrique Nunes da Silva, da Escola Municipal Valdomiro Nunes de Araújo, que ganhou, inclusive, um prêmio estadual pelo seu trabalho de recuperação e reflorestamento da nascente e das margens do Córrego Belo Horizonte, no P.A. Confresa Roncador.

Teve também apresentação da Campanha Y Ikatu Xingu, iniciada anos atrás pelo Instituto Socioambiental (ISA), assim como da experiência de alternativa de manejo de solo e conservação de solo, desenvolvida pela CPT local com a adoção dos “casadões”, que são sistemas agroflorestais que tem como objetivo a manutenção dos recursos hídricos, assim como do solo, e também acaba sendo uma fonte de renda e de segurança alimentar para as comunidades. Também a rede de sementes do Xingu compartilhou sua experiência e se mostrou como uma alternativa viável e eficaz para a produção de alimentos saudáveis.

 

 

 

 

 

 

Gostou dessa informação?

Quer contribuir para que o trabalho da CPT e a luta dos povos do campo, das águas e das florestas continue? 

Clique aqui e veja como contribuir