COMISSÃO PASTORAL DA TERRA

 

 

Em tempo de pandemia o campesinato brasileiro promove uma campanha nacional para garantir que os alimentos continuem chegando na mesa da população.

Texto: Caio Barbosa - Assessoria de Comunicação da CPT
Imagens e Vídeo: Coletivo de Comunicação MPA-RJ

A atual pandemia causada pelo novo coronavírus (Covid-19) é uma ameaça real para toda a sociedade na medida em que se espalha pelo mundo. Essa situação pode agravar outras crises sociais, como por exemplo, uma crise de Segurança Alimentar. A falta de alimentos saudáveis nas cidades brasileiras já é um problema tanto nos centros urbanos como rurais. Diante desse cenário, o Movimento dos Pequenos Agricultores - MPA lançou uma campanha nacional para incentivar a produção e consumo de alimentos oriundos do campesinato: "#FiqueEmCasa Nós seguiremos produzindo seu alimento".

Os camponeses e camponesas são responsáveis por 70% da produção de alimentos no Brasil, e mesmo durante esse período de quarentena continuam no campo trabalhando para garantir que não faltem alimentos para a população brasileira. A campanha lançada tem como objetivo mostrar e divulgar o trabalho realizado durante essa atual conjuntura, além de incentivar o consumo local de alimentos saudáveis.

A falta de comercialização nas Centrais Estaduais de Abastecimento - Ceasa mostra a fragilidade do sistema brasileiro de abastecimento. Para Humberto Palmeira da coordenação nacional do MPA já existe “uma inflação nos preços dos alimentos e alguns itens já faltam nos supermercados. Por isso estamos pensando em estratégias para que a produção camponesa possa chegar na cidade atendendo parte da demanda que estamos recebendo”.

Nesse atual cenário a população busca alternativas para garantir seus alimentos diariamente. Sobre esse ponto, Humberto comenta qual é a estratégia do movimento junto aos agricultores para superar a falta de abastecimento nas cidades “o MPA desenvolve ao longo dos anos um embrião de um Sistema Popular de Abastecimento, com o objetivo de fortalecer a circulação da produção camponesa, levando a comida até os trabalhadores urbanos, além de fortalecer a identidade e cultura do campesinato” afirma o coordenador nacional que foi responsável por implementar as ações no Rio de Janeiro.

LEIA MAIS: Covid-19: vários membros da Via Campesina destacam a vulnerabilidade de camponeses e trabalhadores

 Cesta Camponesa uma alternativa para o abastecimento

Algumas experiências locais mostram que existe uma alternativa para suprir essa demanda e garantir que não falte comida na mesa da população. A Cesta Camponesa é uma iniciativa do MPA no Rio de Janeiro que promove aproximação e intercâmbio entre o campo e a cidade. É realizado um trabalho de base junto aos camponeses e camponesas do estado e a comercialização dos seus produtos agroecológicos é feita online pelo site da Cesta Camponesa.

Essa ação conta com a parceria da Escola de Serviço Social da Universidade Federal do Rio de Janeiro intermediado pelo projeto de extensão universitária "Assentados da Reforma Agrária e Universidade" e tem articulado mais de 150 camponeses no estado do Rio de Janeiro. Essa estratégia entre o MPA e a Universidade possibilitou a criação de uma plataforma online na qual são comercializados inúmeros alimentos agroecológicos produzidos pelo campesinato no Rio e em outros estados do Brasil.

Após um simples cadastro no site do projeto o consumidor pode escolher o núcleo mais próximo do seu bairro e os alimentos que deseja. O pedido é organizado semanalmente pelos militantes do MPA-RJ que fazem uma ponte entre os cestantes e os camponeses. As cestas são organizadas e entregue em praças públicas localizadas em vários bairros da região metropolitana da cidade do Rio.

O projeto teve início em 2015 e geralmente são comercializadas 200 cestas mensais. Porém, durante essa crise de saúde a demanda aumentou “na última semana de março, quando começamos a fazer as entregas com o protocolo de segurança para o Covid-19, entregamos 220 cestas em um único dia. Triplicamos nossa capacidade de atendimento além da organização permanente de duas feiras semanais” é o que garante a professora Leile Teixeira coordenadora do projeto de extensão da UFRJ e militante do MPA ao analisar a nova demanda por alimentos na cidade.

Além das Cestas Camponesas e da comercialização em feiras populares o MPA tem um espaço físico no bairro de Santa Teresa, a casa Raízes do Brasil, um projeto nacional do MPA que fortalece a cultura e a culinária camponesa, e que ajuda na distribuição e comercialização dos produtos.

Aliança dos trabalhadores do campo e da cidade

A parceria entre o MPA e UFRJ com o apoio do espaço Raízes do Brasil, oferece ao Rio de Janeiro uma solução para essa falta de abastecimento. Nesse momento em que a busca por alimentos se intensifica na cidade do Rio, a rede de apoio da Cesta Camponesa, fechou uma parceria com Associação de Taxistas de Santa Teresa (Santaxi) para ajudar nas entregas. Humberto do MPA analisa como positivo essa parceria entre camponeses e taxistas “com o aumento da demanda neste período de pandemia, construímos uma parceria com a Santaxi. São pouco mais de 70 trabalhadores que estavam parados por conta da crise. E agora nossa logística de distribuição de alimentos conta com o apoio deles. Nasceu uma aliança entre os trabalhadores do campo e urbanos aqui no Rio, facilitando nossa comercialização e também possibilitando uma fonte de renda para os taxistas durante essa conjuntura”.

Veja o vídeo enviado por uma camponesa do MPA-RJ sobre a continuação dos trabalhos na “roça”: