COMISSÃO PASTORAL DA TERRA

 

 

 

No dia 04 de junho, próxima segunda-feira, a Comissão Pastoral da Terra (CPT) lançará sua publicação anual, Conflitos no Campo Brasil 2017. É a 33ª edição do relatório que reúne dados sobre os conflitos e violências sofridas pelos trabalhadores e trabalhadoras do campo brasileiro, neles inclusos indígenas, quilombolas e demais povos tradicionais.

 EN - SUGGESTED GUIDELINE - CPT releases the report ‘Conflicts in the Field Brazil 2017’ next week

O lançamento ocorrerá a partir das 14h30, na sede da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), em Brasília (DF). Estarão presentes no evento o presidente da CPT, Dom André de Witte, o vice-presidente, Dom José Ionilton, membros da coordenação executiva nacional da CPT, o professor da Universidade Federal Fluminense (UFF), Carlos Walter Porto Gonçalves, Polliana Soares, do Acampamento Hugo Chávez, do Pará, despejado em dezembro do ano passado, entre outros convidados e convidadas.

Assassinatos e Massacres batem novo recorde em 2017

O relatório de 2017 destaca o maior número de assassinatos em conflitos no campo dos últimos 14 anos, 71 assassinatos (dado atualizado após divulgação em abril, quando chegou a informação de uma morte em Anapu) – 10 a mais que no ano anterior, quando foram registrados 61 assassinatos. 31 destes assassinatos ocorreram em 5 massacres, o que corresponde a 44% do total. Além do aumento no número de mortes, houve aumento em outras violências. Tentativas de assassinatos subiram 63% e ameaças de morte 13%

Serviço:

Lançamento do relatório Conflitos no Campo Brasil 2017

Quando: 04 de junho (segunda-feira), a partir das 14h30.

Onde: Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) – SGAN 905 Bloco C - Asa Norte, Brasília (DF).

 

Informações:

Cristiane Passos – (62) 4008-6406 / 99268-6837

Elvis Marques – (62) 4008-6414 / 99413-0298

Mário Manzi – (62) 4008-6412

A partir das 14h30 do dia 04, todos os dados estarão disponíveis na página da CPT na Internet: www.cptnacional.org.br / @cptnacional

Gostou dessa informação?

Quer contribuir para que o trabalho da CPT e a luta dos povos do campo, das águas e das florestas continue? 

Clique aqui e veja como contribuir