COMISSÃO PASTORAL DA TERRA

 

A Comissão Pastoral da Terra no Maranhão (CPT-MA) e o Movimento Quilombola do Maranhão (MOQUIBOM) vêm a público se manifestar sobre o assassinato de Raimundo Silva, Umbico, no último dia 12 de abril, no Quilombo do Charco, em São Vicente Férrer, no Maranhão.

 

A história das violências que se abatem sobre os povos e comunidades tradicionais deixa marcas profundas em todos nós. Os quilombolas, os povos indígenas, quebradeiras de coco, sertanejos, pescadores, sabemos que sempre que nos levantamos na luta por direitos nossos, corpos são ameaçados.

Prosseguimos nossa caminhada conscientes do sofrimento por que passam nossos irmãos e irmãs de luta, dia após dia, ao longo de gerações.

A vulnerabilidade que nos foi imposta historicamente pela segregação de nossas culturas, costumes, formas de viver, fazem nossas vozes silenciadas ecoarem em vão. Mas repetimos:

Há 72 lideranças camponesas ameaçadas de morte no Maranhão, apenas em 2016!

13 irmãos de luta foram mortos em 2016 no Maranhão!

LEIA TAMBÉM: Quilombolas ocupam a sede do INCRA em São Luís, no Maranhão

Carta dos romeiros e romeiras ao povo do Maranhão: Territórios livres para o Bem Viver dos Povos!

NOTA PÚBLICA - Acusado pelo assassinato de quilombola no MA tem rondado a comunidade do Charco

“Estamos sendo exterminados”, denunciam populações tradicionais à imprensa maranhense

Essa é a nossa realidade. Nossos corpos estão marcados por sucessivas violências sofridas. Nossos sonhos nos colocam em risco. Nossos corações entoam nosso martírio.

A notícia da morte de Umbico nos chocou a todos. Diante dessa tragédia que tanto nos entristece, nossa resposta vem com a firmeza dos que têm a calma e a coragem de lidar com a verdade. Seja qual for sua autoria e motivação, ela é injusta, desnecessária. Apenas alimento de dor.

Nossa fome, porém, é de Justiça, não de vingança. O que nos move são nossas mãos unidas. Delas entrelaçadas vêm a nossa força.

Esperamos que a polícia civil esclareça essa perda enorme e brutal.

Em nossos corações clama o canto dos que querem paz e vida na terra em que somos.

Quilombos do Maranhão, 13 de abril de 2017.

Gostou dessa informação?

Quer contribuir para que o trabalho da CPT e a luta dos povos do campo, das águas e das florestas continue? 

Clique aqui e veja como contribuir