COMISSÃO PASTORAL DA TERRA

 

 

 

Sete meses depois do massacre de Colniza (MT), em que nove trabalhares rurais foram mortos, cinco testemunhas de acusação, sete de defesa e um policial civil prestaram depoimento na primeira audiência judicial sobre o caso esta semana. A Justiça de Mato Grosso acolheu denúncia do Ministério Público do estado por homicídio triplamente qualificado contra quatro acusados de participar da chacina.

 

(Fonte: Agência Brasil / Foto: Caio Mota).

Segundo o promotor do caso, Willian Oguido Ogama, os depoimentos prestados na audiência apontam contradições na versão das testemunhas de defesa e contribuem para elucidar o contexto em que ocorreu a chacina. “Importante mencionar que, apesar de em alguns momentos a defesa colocar no processo que [as vítimas] seriam grileiros ou sem-terra, ficou evidenciado na audiência que eles são trabalhadores da região que não ameaçavam ninguém, não geravam danos a ninguém”, afirmou.

“As famílias da gleba Taquaruçu do Norte, onde ocorreu a chacina, vivem uma realidade difícil, sem posto de saúde e escola. O acesso ao local é péssimo. Elas veem a presença dos órgãos públicos neste momento como sinal de esperança e de justiça. Não que isso vai reverter e trazer de volta os familiares, mas talvez esperança de uma vida melhor e de viver no local com tranquilidade, podendo trabalhar e plantar, dignamente, sem ameaça dos encapuzados”, acrescentou o promotor.

O representante da Comissão Pastoral da Terra Cristiano Cabral criticou o Poder Público e disse que a violência na região continua, com famílias e trabalhadores rurais ameaçados por grupos interessados na extração de minério e madeira, além de pecuaristas. “Eles não se sentem amedrontados com toda essa mobilização do Ministério Público e da polícia. Em Mato Grosso já são 136 pessoas assassinadas e nenhum mandante foi preso”, ressaltou.

LEIA MAIS: “Brasil tem hoje licença para matar”, diz coordenador da CPT sobre madeireiro foragido

Suspeito de articular massacre em Colniza exporta, foragido, madeira para os EUA

“Estamos vivendo a generalização da violência no campo no Brasil”, afirma presidente da CNDH

NOTA PÚBLICA - Sem direito à terra em vida, massacre e morte indigna

O juiz da Comarca de Colniza, Ricardo Frazon Menegucci, vai continuar com o processo e aguarda mais informações. O caso pode ser levado a júri popular pela suspeita de crime doloso contra a vida. “Decidi manter o processo comigo. As partes fizeram alguns requerimentos. Vou precisar rever os depoimentos para analisar e fundamentar bem a decisão”, afirmou o magistrado.

O réu Pedro Ramos Nogueira ainda será ouvido no Fórum de Colniza nas próximas semanas. Os acusados Paulo Neves Nogueira e Moisés Ferreira de Souza irão prestar depoimento por carta precatória em Rondônia, onde estão detidos. O réu Valdelir João de Souza, acusado de ser o mandante do crime, está foragido.

Gostou dessa informação?

Quer contribuir para que o trabalho da CPT e a luta dos povos do campo, das águas e das florestas continue? 

Clique aqui e veja como contribuir